Módulo Ecossistemas Brasileiros

Cadeias Alimentares, Teias e Suas Relações


Objetivos

Identificar os animais do bioma escolhido - estudar a relação entre oferta de alimento e escassez - relações entre os seres vivos.

Conteúdos

Cadeia alimentar – teia alimentar

Material

  • Figuras de animais (aproximadamente 5 cópias de cada)
  • Uma gravura ou um desenho do bioma escolhido (apenas da vegetação)

    Questões Problemas

  • Os animais conseguiriam viver fora de seu ecossistema?
  • Como os animais ajudam as plantas?

    Início

    O professor começaria a atividade mostrando as figuras dos animais do ecossistema escolhido. Em seguida, ele questionaria: qual a relação desses animais? (os alunos diriam que existem figuras iguais, mas o educador iria levantando questionamentos até chegar no tema relações alimentares).

    Colocando a Mão na Massa

    O professor nesta etapa levantaria as hipóteses sobre os hábitos alimentares dos animais e suas relações, por exemplo, no bioma Pantanal: do que o jacaré se alimenta? (os alunos apontariam os nomes dos animais das figuras expostas). O que aconteceria se o número de jacarés aumentasse? Os alunos deveriam responder diminuiria o número de peixes. -Se diminuir o número de peixes? O que aconteceria? Outros animais que também se alimentam de peixes diminuiriam devido a falta de alimentos, e consequentemente o número de jacarés depois de um tempo também diminuiria. (O professor iria movimentando as figuras, assim os alunos visualizariam cada fase). O professor poderia utilizar essa atividade para qualquer ecossistema.

    Cerrado

    O lobo guará que vive no cerrado se alimenta de pequenos animais e de frutos. Dispersa as sementes da lobeira e gabiroba (típicas do cerrado). A devastação do seu habitat, atropelamentos e a caça são sua principal ameaça. Com a diminuição do lobo guará, o que aconteceria com a lobeira? (O professor poderia trabalhar a relação entre planta e animal).

    Mata de araucária

    É tradição no Sul do Brasil, principalmente no Paraná, considerar a gralha-azul (Cyanocorax caeruleus) como a principal dispersora do pinheiro-do-paraná. Porém, ela raramente desce ao solo, vivendo o tempo todo no alto das árvores, na floresta. Já a gralha-picaça gralha-amarela, Cyanocorax chrysops ela desce ao solo para enterrar os pinhões que sobram, estes originam novas árvores. O papagaio-de-peito-roxo, em extinção (Amazona vinacea) também realiza esse papel.

    Na Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais, os principais dispersores dos pinhões são os aiurus, tucanos, as tiribas e macacos.

    Floresta Amazônica (Castanha-do-pará e cutia)

    A cutia se alimenta de sementes e frutos da castanha, ela rói a dura casca dos “ouriços”, come algumas castanhas e enterra as que sobram, depois de saciar a fome. Ela esquece algumas sementes enterradas, que germinam, formando os castanhais. Se a cutia não roesse o “ouriço” como as castanhas germinariam? Se as cutias não enterrassem as castanhas, como seria a taxa de nascimento das castanheiras? Elas nasceriam próximas ou distantes da árvore-mãe?

    Acordo Coletivo

    Esta etapa seria realizada após a elaboração das hipóteses.

    Registro

    Um pequeno texto sobre o tema.

    Dados adicionais

    Número: 16

  • INTERFACES E NÚCLEOS TEMÁTICOS DE ESTUDOS E RECURSOS DA FANTASIA NAS ARTES, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E SOCIEDADE
    Copyright © 2006-2015 Universidade de São Paulo - Universidade Federal de São Paulo
    Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP
    Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da UNIFESP
    Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas da UNIFESP
    Todos os direitos reservados

    Financiamento e apoio: