Recursos para a Educação em Ciências
    Banca da Ciência | Experimentoteca | Mão na Massa
 

Cadeias Alimentares, Teias e Suas Relações

Objetivos

Identificar os animais do bioma escolhido - estudar a relação entre oferta de alimento e escassez - relações entre os seres vivos.

Conteúdos

Cadeia alimentar – teia alimentar

Material

  • Figuras de animais (aproximadamente 5 cópias de cada)
  • Uma gravura ou um desenho do bioma escolhido (apenas da vegetação)

    Questões Problemas

  • Os animais conseguiriam viver fora de seu ecossistema?
  • Como os animais ajudam as plantas?

    Início

    O professor começaria a atividade mostrando as figuras dos animais do ecossistema escolhido. Em seguida, ele questionaria: qual a relação desses animais? (os alunos diriam que existem figuras iguais, mas o educador iria levantando questionamentos até chegar no tema relações alimentares).

    Colocando a Mão na Massa

    O professor nesta etapa levantaria as hipóteses sobre os hábitos alimentares dos animais e suas relações, por exemplo, no bioma Pantanal: do que o jacaré se alimenta? (os alunos apontariam os nomes dos animais das figuras expostas). O que aconteceria se o número de jacarés aumentasse? Os alunos deveriam responder diminuiria o número de peixes. -Se diminuir o número de peixes? O que aconteceria? Outros animais que também se alimentam de peixes diminuiriam devido a falta de alimentos, e consequentemente o número de jacarés depois de um tempo também diminuiria. (O professor iria movimentando as figuras, assim os alunos visualizariam cada fase). O professor poderia utilizar essa atividade para qualquer ecossistema.

    Cerrado

    O lobo guará que vive no cerrado se alimenta de pequenos animais e de frutos. Dispersa as sementes da lobeira e gabiroba (típicas do cerrado). A devastação do seu habitat, atropelamentos e a caça são sua principal ameaça. Com a diminuição do lobo guará, o que aconteceria com a lobeira? (O professor poderia trabalhar a relação entre planta e animal).

    Mata de araucária

    É tradição no Sul do Brasil, principalmente no Paraná, considerar a gralha-azul (Cyanocorax caeruleus) como a principal dispersora do pinheiro-do-paraná. Porém, ela raramente desce ao solo, vivendo o tempo todo no alto das árvores, na floresta. Já a gralha-picaça gralha-amarela, Cyanocorax chrysops ela desce ao solo para enterrar os pinhões que sobram, estes originam novas árvores. O papagaio-de-peito-roxo, em extinção (Amazona vinacea) também realiza esse papel.

    Na Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais, os principais dispersores dos pinhões são os aiurus, tucanos, as tiribas e macacos.

    Floresta Amazônica (Castanha-do-pará e cutia)

    A cutia se alimenta de sementes e frutos da castanha, ela rói a dura casca dos “ouriços”, come algumas castanhas e enterra as que sobram, depois de saciar a fome. Ela esquece algumas sementes enterradas, que germinam, formando os castanhais. Se a cutia não roesse o “ouriço” como as castanhas germinariam? Se as cutias não enterrassem as castanhas, como seria a taxa de nascimento das castanheiras? Elas nasceriam próximas ou distantes da árvore-mãe?

    Acordo Coletivo

    Esta etapa seria realizada após a elaboração das hipóteses.

    Registro

    Um pequeno texto sobre o tema.

    Dados adicionais

    Número:  

    16

  •  
     

    O CiênciaMão é um projeto de extensão universitária da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, com apoio da Universidade Federal de São Paulo e das entidades abaixo listadas. É coordenado pelo grupo de pesquisa Interfaces. Constitui-se em um repositório de recursos para a educação em ciências, voltado para educadores em geral. Os itens listados são cadastrados manualmente em um banco de dados, de acordo com diretrizes editoriais da coordenação do projeto.

     

    EFLCH
    Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

     

    EACH
    Escola de Artes, Ciências e Humanidades

    Financiamento e apoio:


    UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
    Copyright © 2006-2013 Universidade de São Paulo - Todos os direitos reservados