Recursos para a Educação em Ciências
    Banca da Ciência | Experimentoteca | Mão na Massa
 

Uma Composteira Para Nossa Horta

A horta precisa de adubo? Vamos fazer nosso próprio adubo!

Objetivos

  • Conhecer o que é e para que serve uma composteira;
  • Identificar os materiais que podem ser utilizados na composteira;
  • Montar um trabalho em grupo para propor a separação dos materiais para a composteira na cozinha e no jardim da escola;
  • Montar uma composteira com materiais produzidos na própria escola;
  • Incentivar a observação e o cuidado com a natureza;
  • Estimular o registro das observações em diários e tabelas por meio da verificação da temperatura na composteira;
  • Conscientizar os alunos da importância do reaproveitamento dos materiais orgânicos para a produção do composto orgânico tanto para o ambiente (pois evita a contaminação dos solos e das águas) quanto para as plantas (fontes de nutrientes).

    Conteudos

    Resíduos orgânicos – reutilização - produção de composto - fatores que regem o processo de compostagem (microorganismos, umidade, aeração e temperatura).

    Material

  • Restos de alimentos e podas de jardim;
  • Termômetro com haste de metal, (o termômetro comum quebra facilmente);
  • Para colocar os resíduos: caixa de madeira com tela, jardineira plástica ou poderá fazer a compostagem diretamente no solo.
  • Garfo de jardim (ou outro instrumento para mexer o material depositado na composteira).

    Manutenção

    Para que o material orgânico seja transformado em composto alguns fatores são importantes (umidade, a temperatura e a aeração), todo o processo deve ser monitorado para que os microorganismos encontrem condições ideais de reprodução e para a degradação da matéria orgânica. Todos os organismos precisam de água para sobreviver e, sendo assim, a composteira deve sempre estar úmida para que os microorganismos não morram. Mas é imprescindível que o material não esteja demasiadamente encharcado, pois desta maneira, inicia-se um processo anaeróbio (sem presença de oxigênio) que dificulta a decomposição dos materiais e exala um cheiro forte de podridão.Algumas observações devem ser levadas em conta:

    Picar os materiais: quanto menor o tamanho dos materiais melhor, pois os microorganismos conseguem degradar mais rapidamente os resíduos.

    Mistura dos materiais: material úmido (restos de cozinha) deve ser misturado ao material seco (restos de jardinagem).

    Revolvimento dos materiais: essa atividade é de extrema importância, pois a compostagem é predominantemente aeróbia (presença de oxigênio) e com o revolvimento é possível introduzir ar novo, rico em oxigênio e fazer com que decomposição seja mais rápida, sem cheiro e sem proliferação de insetos.

    O monitoramento dos fatores que regem o processo de decomposição deve ser feito pelos próprios alunos. Alguns problemas podem aparecer como mau cheiro, formação de fungos, presença de moscas e formação de chorume. Veja como solucionar :

    Mau cheiro:

    Causa: material muito molhado e pouco arejado.

    Solução: revolver a pilha e cobrir com folhas secas

    Formação de fungos

    Causa: material muito seco

    Solução: revolver e adicionar água

    Presença de moscas

    Causa: presença de materiais que atraem os insetos. Como os resíduos utilizados são de origem orgânica essa atração é muitas vezes facilitada.

    Solução: cobrir o monte com folhas secas ou terra. Evitar colocar restos de carnes e peixes.

    Formação de chorume

    Causa: material muito encharcado (evite colocar muita água na composteira).

    Solução: revolvimento para a aeração da pilha, colocar material seco (folhas e galhos).

    A transformação de materiais crus em composto é muito variável dependendo do tamanho da composteira, do material usado, da altura das camadas e, principalmente, dos fatores que regem o processo. O composto deverá ser utilizado em jardins, em hortas ou em árvores frutíferas.

    Para acompanhar a decomposição, utiliza-se um termômetro para medição da temperatura. Para conhecer o que ocorre durante a compostagem é preciso identificar suas fases.

    Fases da Compostagem:

    O processo de decomposição ocorre em três fases distintas:Primeira Fase: ocorre a decomposição dos resíduos orgânicos facilmente degradáveis com temperaturas alcançando a faixa de 60 a 65 ºC e dura cerca de 15 dias.Segunda Fase: denominada fase de maturação e a temperatura permanece na faixa de 45 a 30 ºC e dura cerca de 2 a 3 meses.Terceira Fase: denominada humificação é a última fase da compostagem e onde o material se torna excelente fonte de nutrientes para o solo e para as plantas. A temperatura, nesta fase, cai para a faixa de 25 a 30 ºC. Portanto, é possível, por meio do controle da temperatura saber em que fase a compostagem se encontra e se a decomposição está ocorrendo normalmente ou está faltando água, aeração, etc. A temperatura é um bom indicador do fim do processo. O composto pronto é solto, tem cor escura e cheiro de terra.

    Inicio

    O professor poderá começar a atividade perguntando aos alunos: Qual a composição do lixo das nossas casas e da escola (diferenciar entre um e outro). O que ocorre após a retirada do lixo pelos caminhões coletores? Para onde vai o lixo? Tudo que produzimos é lixo? Qual a diferença entre lixo e resíduos? O lixo poderá ser transformado? Que partes do lixo poderíamos aproveitar? Como ocorre a transformação dos resíduos orgânicos em composto? (Discuta com os alunos os fatores que regem o processo de compostagem: umidade, aeração e temperatura (qual é a importância), qual é a função dos microorganismos). Qual atividade poderíamos fazer para ilustrar a transformação do lixo em algo bom para a natureza?

    Colocando

    Após a introdução do tema e os esclarecimentos da importância da composteira, o próximo passo é identificar os resíduos produzidos na escola que podem ser utilizados na produção de composto. Podem ser utilizados quase todos os resíduos produzidos na cozinha, como por exemplo, restos de legumes, verduras, frutas, borra de café, cascas de ovos, entre outros (devem ser evitados restos de carne e de peixe, pois podem atrair roedores e insetos).

    Os resíduos de jardinagem como folhas secas, galhos, flores, também são excelentes matérias-primas para a produção do composto.

    O segundo passo é escolher um local apropriado para se fazer a composteira.

    Não deve chover muito no local e nem receber sol direto, sugere-se embaixo de uma árvore. A composteira poderá ter diferentes tamanhos e formatos dependendo da quantidade de material produzido na escola. A pilha de materiais orgânicos poderá ser feita em jardineiras plásticas, em caixas de madeira com tela ou diretamente no solo.

    Para a montagem das camadas temos os seguintes passos: a primeira camada deve ser de material seco (podas de árvores ou galhos picados), posteriormente o material úmido. Deve-se alternar os materiais, tomando o cuidado para não formar uma camada muito espessa de um único tipo de material. As camadas devem ter a mesma proporção de resíduos secos e úmidos. Na última camada deve-se colocar os resíduos de jardinagem ou terra para evitar a atração de moscas. Quando a composteira estiver cheia deve-se parar de colocar material fresco, cobri-la com folhas secas ou manta plástica (na época de muitas chuvas) e iniciar o enchimento de uma nova composteira (caso haja muito material e espaço suficiente).

    Acordo

    A manutenção da composteira deve ser realizada pelos alunos, pois é visualmente identificável a mudança na composição, coloração e textura dos materiais que estão sendo decompostos.

    O acompanhamento poderá ser realizado a qualquer momento, diariamente ou semanalmente, mas no acordo coletivo é necessário que seja estipulada, pelos alunos, uma freqüência de observação para efetuar o registro, principalmente nas primeiras semanas quando as temperaturas mudam drasticamente. Com os dados é possível produzir um gráfico de aumento e diminuição de temperatura conforme o passar dos dias, semanas, meses. Deve-se tomar cuidado para que a temperatura não atinja valores maiores que 65 ºC, pois poderá acarretar na morte dos microorganismos e, consequentemente, a paralisação do processo de decomposição.

    É importante que todos participem, portanto os alunos devem se organizar para registrarem a temperatura todos os dias ou semanalmente, conforme o acordo estabelecido.

    Registro

    Cada grupo deve fazer um registro inicial com a data da montagem das camadas de resíduos orgânicos e o tempo de permanência do material até a decomposição total. As medidas de temperatura também devem ser anotadas por todos os grupos dividindo por diferentes pontos na leira (o professor de matemática poderá ajudar os alunos a construírem tabelas e gráficos de temperatura). Os alunos também podem registrar a atividade através de desenhos (na aula de artes). O professor de ciência poderá trabalhar também com as mudanças na textura, cor, cheiro do composto, se houve ou não a presença de moscas e de chorume.[TABELA]

    Sugestoes

    Converse com a merendeira e descubra qual o destino dado às sobras dos alimentos. Verifique, junto à direção da escola, se essas sobras poderiam ser utilizadas para a produção de composto.

    Peça para a pessoa que varre ou cuida do jardim da escola separar as folhas secas e galhos.

    Incentive os alunos a fazer a composteira em casa.

    Dados adicionais

    Sequencia:  

    3

    Número:  

    22

    Tipo:  

    atividade

  •  
     

    O CiênciaMão é um projeto de extensão universitária da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, com apoio da Universidade Federal de São Paulo e das entidades abaixo listadas. É coordenado pelo grupo de pesquisa Interfaces. Constitui-se em um repositório de recursos para a educação em ciências, voltado para educadores em geral. Os itens listados são cadastrados manualmente em um banco de dados, de acordo com diretrizes editoriais da coordenação do projeto.

     

    EFLCH
    Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

     

    EACH
    Escola de Artes, Ciências e Humanidades

    Financiamento e apoio:


    UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
    Copyright © 2006-2013 Universidade de São Paulo - Todos os direitos reservados