Livros de Ficção Científica

Tropas Estelares

Robert A. Heinlein

Clique para ampliar

Descrição

Narrado em primeira pessoa, o romance acompanha o ponto de vista de Juan "Johnny" Rico, um jovem soldado filipino da Infantaria Móvel, ao lembrar de sua carreira desde o recrutamento frente ao exército até tornar-se um oficial na guerra contra os terríveis Aracnídeos. Através dos olhos de Rico, Heinlein examina a moral e os aspectos filosóficos da virtude cívica, as necessidades da guerra, a pena capital e até mesmo a delinquência infantil.

Orelha

'Tropas Estelares' é um dos mais polêmicos livros da história da ficção científica. Escrito por Robert A. Heinlein e publicado em 1959, o autor mostra a Terra, em um futuro não muito distante, vivendo sob uma federação interplanetária que só permite o direito de voto a quem serve às Forças Armadas. Com um realismo impressionante, a história mostra o treinamento e a preparação dos jovens soldados até o estouro da guerra contra os temíveis e misteriosos Insetóides, poderosos alienígenas aracnídeos que podem destruir o sonho terrestre de expansão no universo.

O livro, vencedor do Prêmio Hugo (o mais importante da ficção científica internacional), foi aclamado por fãs e críticos, mesmo defendendo idéias "politicamente incorretas", para usar a linguagem dos anos 90.

A história chega aos cinemas através de uma superprodução dirigida por Paul Verhoeven, o mesmo de 'Robocop' (1987), e 'O Vingador do Futuro' (1990), dois dos mais representativos filmes de FC dos últimos anos. E com este não é diferente: lá estão o realismo da caserna e as empolgantes batalhas espaciais, sem falar nos temas controversos - o que só garante o sucesso de bilheteria que vem alcançando.

Marcello Simão Branco

Resenha

  • Por Roberto de Souza Causo - 10/03/2007

O ano de publicação original do romance é 1959, quando Heinlein tinha já uma dúzia dos seus "juvenis" publicados pela Scribner's. 'Tropas Estelares', porém, foi rejeitado, o que pôs fim ao relacionamento de Heinlein com a editora americana. O livro foi publicado eventualmente pela Putnam, e ganhou o Prêmio Hugo para o melhor romance de FC. Hoje ele figura na lista de clássicos de John Clute e é referência obrigatória junto a vários outros críticos.

Narra a trajetória de Johnny Rico, jovem proveniente de uma família abastada, que se alista na Infantaria Móvel (uma redundância...) a fim de conquistar o título de cidadão para sua família - e também para seguir os passos de seus colegas de escola, todos influenciados por seu professor de filosofia moral.

A narrativa de Heinlein tem tudo o que se espera de um bom livro de FC: aventura, uma tecnologia inventiva e verossímil, e reflexões sobre o funcionamento da sociedade diante de uma situação hipotética iluminadora.

Boa parte das reflexões de Heinlein são polêmicas, e renderam ao autor os rótulos nada lisonjeiros de "fascista" e "militarista". No futuro por ele criado, as pessoas só adquirem o direito ao voto após dois anos de serviço voluntário junto ao Estado, sendo que esse serviço pode ser tanto civil quanto militar. No fundo, o que Heinlein parece propor é uma meritocracia formada por pessoas que, em algum momento de suas vidas, sacrificaram seus interesses individuais em favor da sociedade como um todo. Assim como muitos conservadores norte-americanos, Heinlein (que morreu em 1988) se preocupava com a visão cada vez mais dominante de que o indivíduo é beneficiado pela organização social mantida pelo Estado, sem oferecer em troca nenhum compromisso maior com a sociedade. Em sua opinião, aqueles que fizessem esse sacrifício teriam um senso maior de responsabilidade ao eleger seus governantes e ao cobrar deles um desempenho melhor do Estado. Os que não aceitassem essa ordem não seriam propriamente discriminados (a família de Johnny, composta de não-cidadãos, era bastante rica, a ponto de seu pai considerar a cidadania um luxo dispensável), mas deixados de fora dos centros de decisão.

Um problema do argumento é que Heinlein está extrapolando seu sentimento particular de ligação com a Marinha Americana (da qual era oficial da reserva) para toda uma ordem social. Esse "espírito de corpo", ativo mesmo com os cidadãos agora de volta à vida civil, seria a chave para a maior responsabilidade política. Por outro lado, é interessante como o espírito de corpo amarra a própria trajetória de Johnny, que ao ingressar na Infantaria Móvel absorve a doutrina e aos poucos amadurece dentro dos ideais dessa força de elite.

Isso é importante porque, na definição de Heinlein, 'Tropas Estelares' é um romance que tenta explicar, ainda que de maneira incompleta (ou "parcial", diriam alguns), porque os homens vão à guerra - eles iriam à guerra em parte por pertencerem a uma cultura (a força armada em que estão inseridos) que aceita o terror do conflito armado e a própria morte como condição básica de sua existência.

Nesse sentido, as reflexões de Heinlein caminham na direção da tese central do historiador militar inglês John Keegan no livro 'Uma História da Guerra', mas Heinlein sugere que a sociedade como um todo tem a ganhar com a difusão de um sentimento semelhante, que atingiria todos os extratos sociais.

No futuro de 'Tropas Estelares', a Terra está em guerra contra uma espécie alienígena de insetos que quer simplesmente nos varrer do universo. Ante ela, só há um caminho: a guerra total. Heinlein reflete a postura de sua geração, abalada pela II Guerra Mundial e pela Guerra Fria, que vê o "inimigo" como oposição a ser destruída a qualquer custo.

A relação do romance com o momento histórico da II Guerra está expresso em sua própria estrutura - a divisão clássica do romance da II Guerra Mundial (uma forma popular e prestigiosa, tendo recebido vários prêmios Pulitzer nas décadas de 1940 e 50) entre "treinamento" e "combate". Assim, na primeira parte, Johnny Rico passa pelo treinamento básico da Infantaria Móvel, onde sua individualidade é nivelada de acordo com os interesses da instituição, em um processo brutalizador que inclui castigos corporais. Mais tarde, ele recupera sua individualidade pela via do combate - uma experiência indivisível, por seu conteúdo de dor e medo -, saindo renascido dela, compreendendo enfim tudo o que implica a ordem social em que se insere.

É claro, essa visão de Heinlein foi contestada veementemente e de várias maneiras, especialmente em dois romances posteriores, ambos também premiados, que "dialogam" com 'Tropas Estrelares' - 'The Forever War' (1974), de Joe Haldeman, e 'O Jogo do Exterminador' (1985), de Orson Scott Card. Haldeman é um veterano da Guerra do Vietnã, e em seu romance ele traduz o terrível sentimento de dúvida quanto ao sentido da guerra. Tanto no seu 'The Forever War' quanto no romance de Card, o que parecia certo a Heinlein (a aniquilação do inimigo) torna-se questionável ou condenável, com o conflito parecendo antes ser fruto de uma deficiência de comunicação do que de determinismo social ou biológico. Enfim, em 'O Jogo do Exterminador' é justamente o estabelecimento dessa comunicação com o inimigo (em ambos os casos alienígenas insetóides) que redime a visão implacável de Heinlein e a angústia moral de Haldeman, mostrando o quanto à reflexão ética sobre a guerra se alterou com o tempo.

A publicação (tardia) de 'Tropas Estelares' entre nós (o livro já existia como 'Soldado do Espaço', na coleção portuguesa Argonauta) permite que o leitor brasileiro se debruce sobre uma obra marcante para a FC, e da qual poucos parecem emergir imunes às polêmicas que ela incorpora. Um romance que divide seus leitores entre os que o amaram e os que o odiaram - certamente um mérito para qualquer obra literária que se proponha séria e instigante.

Observações

Este livro também foi lançado sob o título de 'Soldado no Espaço' em 1968 pela editora Livros do Brasil, correspondendo ao volume 129 da Coleção Argonauta.


Figura 1 - Soldado no Espaço

Dados adicionais

Autores: Robert A. Heinlein

Título Original: Starship Troopers (ou Starship Soldiers)

Origem: EUA

Editora: GRD/Grupo Pecas

Cidade da Editora: São Paulo

Ano de Publicação: 1998

Ano de Publicação Original: 1959

Número de Páginas: 275

Edição: 1° Ed.

Modalidade: Romance

Como Obter

Livrarias

Internet

Sebos

Usado

INTERFACES E NÚCLEOS TEMÁTICOS DE ESTUDOS E RECURSOS DA FANTASIA NAS ARTES, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E SOCIEDADE
Copyright © 2006-2015 Universidade de São Paulo - Universidade Federal de São Paulo
Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP
Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da UNIFESP
Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas da UNIFESP
Todos os direitos reservados

Financiamento e apoio: