Recursos para a Educação em Ciências
    Banca da Ciência | Experimentoteca | Mão na Massa
 

Fecundação

Gisele dos Santos Custodio

Resumo

A fecundação é o fenómeno biológico atráves do qual o óvulo e o espermatozóide se unem dando origem a uma nova vida.

Chegam ao óvulo cerca de 300 milhões de espermatozóides, células germinais masculinas, produzidas nos testículos, entretanto apenas um penetra no óvulo. Eles penetram a vagina e "nadam" através de uma abertura para o útero, que se chama cérvice, até a trompa uterina.

O espermatozóide "vencedor" troca o seu material genético com o óvulo, completando-se assim os 46 cromossomos, 23 vindos do pai e 23 vindos da mãe.

Objetivos

A atividade tem como objetivo proporcionar aos alunos um melhor entendimento do processo de fecundação humana.

Estrutura da Atividade

O professor deverá apresentar o vídeo aos alunos. Em seguida dará uma explicação mais detalhada sobre assunto, após este momento a sala será dividida em grupos onde será proposto aos alunos que elaborarem uma espécie de "história em quadrinhos" sobre o que aprenderam.

Organização da Classe

No primeiro momento os alunos assistirão ao vídeo. Depois a sala será organizada em grupos para a construção da "história em quadrinhos".

Introdução

A cada mês, no meio do ciclo menstrual, um óvulo é liberado pelo ovário e realiza uma viagem pelo corpo da mulher. O óvulo se prepera para ser fertilizado por um espermatozóide dando origem à um novo ser. O homem pode ejacular milhões de espermatozóides, mas apenas um irá fertilizar o óvulo. Quando o esperma chega às trompa de Falópio restam poucas centenas deles vivos e eles não sobrevivem por mais de 72 horas. Depois deste encontro surge o que chamamos de zigoto ou célula-ovo.

A célula formada pela união dos gametas masculino e feminino, o zigoto, dá início ao seu desenvolvimento embrionário, processo atráves do qual o novo ser começa a originar um ser multicelular, ou seja, um ser que pode possuir até trilhões de células de tipos muitos diferentes e especializadas a desempenhar atividades específicas.

O processo de formação de uma nova vida se dá a partir de uma sequência de eventos que começam com o contato de um espermatozóide com um óvulo, onde ocorre a fusão dos núcleos desses dois gametas e a consequente mistura dos cromossomos maternos e paternos. Este processo ocorre na metáfase da primeira divisão mitótica do zigoto. Para saber mais sobre o desenvolvimento embrionário acesse: www.cienciamao.if.usp.br.

Apenas a cabeça do espermatozóide entra em contato com a superfície do óvulo, neste momento as membranas plasmáticas das duas células se fundem rompendo-se na área de fusão, criando uma passagem por onde espermatozóide pode penetrar no óvulo.

O interessante é que assim que entra um espermatozóide, a membrana plasmática do óvulo torna-se impermeável para os demais espermatózoides.

Os espermatozóides mantêm sua capacidade para fecundar um óvulo de 24 a 48 horas. Se a concepção não ocorrer, as células espermáticas e o óvulo morrem. As células espermáticas são devoradas pelos glóbulos brancos, células de defesa do sangue. O óvulo passa pelo útero sendo assim expelido pela vagina.

Cerca de 30 horas após a fecundação inicia-se a primeira divisão do novo ser, que vai sofrendo sucessivas divisões. O embrião continua a sua divisão, e quando tiver três dias contará com aproximadamente 16 células, atingindo ao quarto dia a fase de mórula. No quinto dia após a fecundação começa a entrar um líquido no óvulo formando-se uma cavidade, o blastocelo, que dará lugar ao blastócito, que avança pela trompa até o útero, onde chega pelo sexto ou sétimo dia, para se implantar na mucosa uterina.

Depois o zigoto se divide rapidamente e avança em direção à cavidade uterina, onde se implantará na camada interna, caso esta se encontre preparada para recebê-lo. Na zona de implantação desenvolve-se mais tarde a placenta, órgão de estrutura muito complexa, atráves do qual o feto se nutre, respira e elimina secreções.

Material

Material para a "história em quadrinhos"

Lápis preto, lápis de cor, folhas sulfite, régua, borracha.

Situação-Problema

Nota-se que os adolescentes possuem um conhecimento bastante superficial a respeito deste fenômeno. A atividade vem possibilitar o melhor entendimento deste processo aprofundando assim o conhecimento dos alunos.

Ações dos Alunos

Os alunos deverão elaborar e entregar a "história em quadrinhos" com base no que aprenderam.

Dicas

Após a realização desta atividade seria interessante que o professor realizasse a atividade sobre Desenvolvimento embrionário disponível em: http://www.cienciamao.if.usp.br/tudo/exibir.php?midia=lcn&cod=_gravidezedesenvolvimento&action=noindex

Referências

AMABIS, José Mariano e MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia dos Organismos. Classificação, estrutura e função nos seres vivos. Volume 2, 1 Edição

HOUILLON, C.1972. Sexualidade. Trad.: Marcos Guimarães Ferri. 1.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.HAMILTON, W.J., BOYD, J.D.,

MOSSMAN, H.W. 1968. Embriología Humana. Trad.: Dra. María Teresa Sabattini; Dr. Aníbal Jorge Sánchez. 3.ed. Buenos Aires-Argentina: Editorial Inter-médica.

Disponível em:

http://www.mundovestibular.com.br/articles/383/1/DESENVOLVIMENTO-EMBRIONARIO-HUMANO/Paacutegina1.html

Dados adicionais

Autores:  

Gisele dos Santos Custodio

Duração:  

Duas aulas

 
 

O CiênciaMão é um projeto de extensão universitária da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, com apoio da Universidade Federal de São Paulo e das entidades abaixo listadas. É coordenado pelo grupo de pesquisa Interfaces. Constitui-se em um repositório de recursos para a educação em ciências, voltado para educadores em geral. Os itens listados são cadastrados manualmente em um banco de dados, de acordo com diretrizes editoriais da coordenação do projeto.

 

EFLCH
Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

 

EACH
Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Financiamento e apoio:


UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
Copyright © 2006-2013 Universidade de São Paulo - Todos os direitos reservados