Recursos para a Educação em Ciências
    Banca da Ciência | Experimentoteca | Mão na Massa
 

Simulador do Efeito Estufa

Ivone Dantas Farias

Resumo

O Efeito Estufa é a forma que a Terra tem para manter sua temperatura constante. A atmosfera é altamente transparente à luz solar, porém cerca de 35% da radiação que recebemos vai ser refletida de novo para o espaço, ficando os outros 65% retidos na Terra. Isto deve-se principalmente ao efeito sobre os raios infravermelhos de gases como o Dióxido de Carbono, Metano, Óxidos de Azoto e Ozônio presentes na atmosfera (totalizando menos de 1% desta), que vão reter esta radiação na Terra, permitindo-nos assistir ao efeito calorífico dos mesmos.

Objetivos

  • Compreender o que é o efeito estufa.
  • Fazer uma simulação do efeito estufa.

Estrutura da Atividade

  • O professor pode começar a atividade, perguntando aos alunos o que eles sabem sobre o efeito estufa.
  • Propor a montagem e execução do experimento, em grupo.
  • Discutir o experimento em grupo e anotar as observações.
  • Cada grupo deve socializar as discussões com toda a turma.
  • O professor pode encerrar a aula, concluindo sobre o tema, a partir das observações dos grupos.
  • Os grupos de alunos podem produzir cartazes que ilustrem suas conclusões.

Organização da Classe

Em grupos de 5 ou 6 alunos.

Formas de Registro

Escrita no caderno.

Produção de cartazes.

Introdução

O efeito estufa é um fenômeno natural pelo qual a Terra mantém constante a temperatura de sua superfície. O processo ocorre quando parte da radiação emitida pelo Sol é absorvida por gases presentes na atmosfera é refletida novamente para sua superfície.como consequência o calor fica retido no planeta, não sendo liberado para o espaço.

Desta forma, o efeito estufa é essencial para a manutenção da vida no planeta Terra, pois é ele que mantém as condições ideais de temperatura para o equilíbrio dos ecossistemas.

O agravmento do efeito estufa desestabiliza o equilíbrio energético do planeta e propicia o aquecimento global. O processo tem se intensificado com a grande emissão de gases poluentes na atmosfera devido a queima demasiada de combustíveis fósseis.

Material

a)Dois copos com água b)Papel alumínio c)Caixa de sapatos d)Tesoura e)Filme plástico


Figura 1 - Materiais

Montagem

a)Forre o interior da caixa com papel alumínio. b)Coloque um dos copos com água dentro da caixa.


Figura 2

c)Tampe acaixa com filme plástico.


Figura 3

Procedimento

d)Coloque o segundo copo e a caixa sob a luz de uma lâmpada ou sob a luz do sol.


Figura 4

e)Após dez minutos abra a caixa e sinta com o dedo qual dos dois copos está com a água mais quente.


Figura 5

Situação-Problema

Porque a água que estava dentro da caixa ficou mais quente que a água que ficou fora da caixa?

Ações dos Alunos

Construir o experimento para assim poder refletir sobre as causas e as consequências do efeito estufa.

Resultados

A água que está no copo que ficou dentro da caixa está mais quente.

Conclusões Coletivas

Ao iluminar a caixa, a luz passa pelo filme plástico e se transforma em calor ao atingir a superfície interna.O ar se aquece e como não pode sair da caixa, a temperatura interna da caixa aumenta.

Por esse motivo, a temperatura da água do copo que está dentro da caixa, é maior do que a que está fora.

Questões

Quais os gases que provocam o efeito estufa?

O que pode ser feito para reduzir os danos do efeito estufa sobre o meio ambiente?

Quem são os principais emissores de dióxido de carbono?

Dicas

Um pouco da história do descobrimento do "efeito estufa" e seus desdobramentos científicos e políticos ao longo do tempo.

Jean-Baptiste Fourier, um famoso matemático e físico francês do século XIX, foi o primeiro a formalizar uma teoria sobre o efeito dos gases estufa, em 1827. Ele mostrou que o efeito de aquecimento do ar dentro das estufas de vidro, utilizadas para manter plantas de climas mais quentes no clima mais frio da Europa, se repetiria na atmosfera terrestre. Em 1860, o cientista britânico John Tyndall mediu a absorção de calor pelo dióxido de carbono e pelo vapor d' água. Ele foi o primeiro a introduzir a idéia que as grandes variações na temperatura média da Terra que produziriam épocas extremamente frias, como as chamadas "idades do gelo" ou muito quentes (como a que ocorreu na época da transição do Cretáceo para o Terciário), poderiam ser devidas às variações da quantidade de dióxido de carbono na atmosfera.

No seguimento das pesquisas sobre o efeito estufa, o cientista sueco Svante Arrhenius, em 1896, calculou que a duplicação da quantidade de CO2 na atmosfera aumentaria a sua temperatura de 5 a 6°C. Este número está bastante próximo do que está sendo calculado com os recursos científicos atuais. Os relatórios de avaliação do Intergovernmental Panel on Climate Change 2001 situam estes números entre 1,5°C - melhor dos cenários e 4,5°C - no pior, com uma concentração de cerca de 900 ppm de CO2 na atmosfera no ano de 2100). O passo seguinte na pesquisa foi dado por G. S. Callendar, na Inglaterra. Este pesquisador calculou o aquecimento devido ao aumento da concentração de CO2 pela queima de combustíveis fósseis. Pesquisadores estadunidenses, no final da década de 1950 (século XX) observaram que, com o aumento de CO2 na atmosfera, os seres humanos estavam conduzindo um enorme (e perigoso) experimento geofísico.

A medição de variação do CO2 na atmosfera iniciou-se no final da década de 50 no observatório de Mauna Kea no Havaí, depois que os EUA lançaram em seu primeiro satélite espacial (?X?) no Cinturão Van Allen.

Cabe aqui comentar que o efeito estufa não é um mal em si, pelo contrário, a humanidade, e a maioria dos seres vivos hoje existentes simplesmente não existiriam sem este fenômeno, pois a Terra teria uma temperatura média de cerca de 6°C negativos. Esta seria, pois, um congelador de grandes proporções. O problema é o agravamento do efeito estufa e velocidade da mudança

Dados adicionais

Autores:  

Ivone Dantas Farias

Duração:  

2 aulas

Nível:  

Ensino Fundamental II

Área:  

geociências

Tema:  

meteorologia

Tópico:  

climatológica

Enfoques:  

Desenvolvimento de material

Atividade Experimental:  

Simulação

 
 

O CiênciaMão é um projeto de extensão universitária da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, com apoio da Universidade Federal de São Paulo e das entidades abaixo listadas. É coordenado pelo grupo de pesquisa Interfaces. Constitui-se em um repositório de recursos para a educação em ciências, voltado para educadores em geral. Os itens listados são cadastrados manualmente em um banco de dados, de acordo com diretrizes editoriais da coordenação do projeto.

 

EFLCH
Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

 

EACH
Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Financiamento e apoio:


UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
Copyright © 2006-2013 Universidade de São Paulo - Todos os direitos reservados