Recursos para a Educação em Ciências
    Banca da Ciência | Experimentoteca | Mão na Massa
 

Desenvolvimento Embrionário

Aline de Freitas Leal, Gisele dos Santos Custódio, Marcos Santos Barbosa, Zaqueu Vieira Oliveira

Resumo

A célula formada pela união dos gametas masculino e feminino, o zigoto, após algum tempo dá início ao seu desenvolvimento embrionário, processo através do qual o novo ser começa a originar um ser multicelular, ou seja, um ser que pode possuir até trilhões de células de tipos muitos diferentes e especializadas a desempenhar atividades específicas.

Objetivos

O objetivo da atividade é proporcionar aos alunos um melhor entendimento a respeito do desenvolvimento embrionário, visto que se trata de um assunto pouco compreendido pelos alunos.

Estrutura da Atividade

Primeiramente os alunos assistirão ao vídeo.

Depois o professor deverá realizar uma aula com os principais processos para que o asssunto seja bem fixado.

Na aula seguinte os alunos deverão entregar uma espécie de "história em quadrinhos", assim como realizaram na atividade da fecundação, visto que são fenomenos sucessivos.

Introdução

O processo de formação de uma nova vida se inicia a partir de uma sequência de eventos que começam com o contato de um espermatozóide com um óvulo, onde ocorre a fusão dos núcleos desses dois gametas e a consequente mistura dos cromossomos maternos e paternos.

Os pronúcleos masculinos e femininos aproximam-se, suas membranas nucleares desaparecem e ocorre a fusão, formando assim, uma célula diplóide (2n), o zigoto.

A partir ocorre uma sequência de processos que trataremos brevemente aqui.

O zigoto sofre divisões mitóticas gerando duas células-filhas, os blastômeros.

Por volta do terceiro dia, uma bola sólida com cerca de dezesseis blastômeros constitui a mórula que chega ao útero. Entre suas células começa a penetrar um líquido oriundo da cavidade uterina. Conforme o ocorre o aumento do líquido se inicia a separação das células em duas partes: camada externa: trofoblasto (grupo de células centrais) e a camada interna, denomidanada embrioblasto.

No quarto dia os espaços cheio de líquidos se conectam para formar um único espaço, a cavidade blastocística, transformando a mórula em um blastocisto.

No quinto dia a zona pelúcida degenera e desaparece, o blastocisto fica preso ao epitélio do endométrio.

Com o progresso da invasão do trofoblasto este forma duas camadas: um citotrofoblasto interno (trofoblasto celular) e o sinciciotrofoblasto externo, que produzem substâncias que invadem o tecido materno, permitindo assim que blastocisto penetre no endométrio.

Ao final da primeira semana, o blastocisto está superficialmente fixado na camada do endométrio, alimentando-se do sangue materno.

No oitavo dia, células migram do hipoblasto e formam uma fina membrana exoceloma que envolve a cavidade exocelômica, formando o saco vitelino primário.

No décimo dia, o blastocisto implanta-se lentamente no endométrio. Por volta do décimo dia são visíveis espaços isolados no interior do mesoderma extra-embrionário, estes espaços fundem-se rapidamente para formar grandes cavidades isoladas de celoma extra-embrionário.

Com a formação do celoma extra-embrionário, o saco vitelino primitivo diminui de tamanho resultando num saco vitelino secundário menor.

No décimo segundo dia o sangue materno infiltra-se nas redes lacunares e logo começa a fluir através do sistema lacunar, estabelecendo uma circulação útero-placentário primitiva.

No décimo quarto dia forma-se o mesoderma somático extra-embrionário e as duas camadas de trofoblasto que constituem o córion. Forma-se as vilosidades coriônicas primárias.Surge um espessamento no hipoblasto chamada placa pré-cordal que será a futura região cranial e boca do embrião.

É a partir destas divisões celulares que evoluem rapidamente que se origina um novo ser multicelular.

Material

http://www.google.com.br/imgres?

Situação-Problema

Mesmo que os adolescentes tenham algum conhecimento a respeito do assunto, percebe-se que o conhecimento acerca do desenvolvimento embrionário é bastante superficial. A atividade vem possibilitar o melhor entendimento do processo aprofundando assim o conhecimento dos alunos.

Ações dos Alunos

Os alunos deverão elaborar e entregar a “história em quadrinhos" com base no que aprenderam.

Dicas

Esta atividade deve ser realizada posteriormente á atividade Fecundação, dsiponivel em:

www.cienciamao.if.usp.br

Referências

AMABIS, José Mariano e MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia dos Organismos. Classificação, estrutura e função nos seres vivos. Volume 2, 1 Edição.

HOUILLON, C. 1972. Sexualidade. Trad.: Marcos Guimarães Ferri. 1.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.HAMILTON, W.J., BOYD, J.D.,

MOSSMAN, H.W.1968. Embriología Humana. Trad.: Dra. María Teresa Sabattini; Dr. Aníbal Jorge Sánchez. 3.ed. Buenos Aires-Argentina: Editorial Inter-médica.

Disponível em:

http://www.mundovestibular.com.br/articles/383/1/DESENVOLVIMENTO-EMBRIONARIO-HUMANO/Paacutegina1.html

Dados adicionais

Autores:  

Aline de Freitas Leal, Gisele dos Santos Custódio, Marcos Santos Barbosa, Zaqueu Vieira Oliveira

Duração:  

Três aulas

 
 

O CiênciaMão é um projeto de extensão universitária da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, com apoio da Universidade Federal de São Paulo e das entidades abaixo listadas. É coordenado pelo grupo de pesquisa Interfaces. Constitui-se em um repositório de recursos para a educação em ciências, voltado para educadores em geral. Os itens listados são cadastrados manualmente em um banco de dados, de acordo com diretrizes editoriais da coordenação do projeto.

 

EFLCH
Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

 

EACH
Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Financiamento e apoio:


UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
Copyright © 2006-2013 Universidade de São Paulo - Todos os direitos reservados