Recursos para a Educação em Ciências
    Banca da Ciência | Experimentoteca | Mão na Massa
 

Bomba de Sucção

Referência

Alunos da disciplina Produção de Material Didático (FEP 458)
Licenciatura em Física - IFUSP -- Turma: Noturno/2005

Introdução

Sabe-se da importância das bombas de sucção, também conhecidas como bombas de vácuo, cujas aplicações vão desde a chamada "lipoescultura" até a retirada de água do solo - e muitas outras! Mas a questão aqui envolvida é a seguinte: Qual é o princípio de funcionamento de uma bomba de vácuo?

Antes de apresentar o princípio de funcionamento da bomba de vácuo, irei mostrar como construí-la num modelo bastante simples, porém, eficiente e eficaz para nossos propósitos.

Materiais

  • Uma lâmpada pequena, com raio do bulbo aproximadamente 2,5 cm;
  • Um pedaço oco de tubo de plástico transparente(pode ser de caneta esferográfica), de aproximadamente 8,0 cm de comprimento;
  • Um prendedor de roupas, de madeira;
  • Alicate de bico;
  • Isqueiro;
  • Copo de vidro comum;
  • Cola epoxi.

Montagem

A idéia é construir um objeto parecido com um termômetro, porém, aberto numa extremidade e com um reservatório grande (bulbo de vidro da lâmpada) na outra; além de ter um "capilar grosso".

Com o alicate de bico, quebre a parte de porcelana da lâmpada (normalmente de cor escura) que fica acima da rosca da lâmpada, assim como o filamento e seu respectivo suporte - a idéia é manter apenas a rosca e o bulbo intactos. No lugar da porcelana, encaixe o tubo de plástico e faça a vedação, com a cola, cuidadosamente, de modo a evitar vazamentos e não entupir o tubo. A dois ou três centímetros do bulbo, fixe o prendedor de roupas - você também pode utilizar um pouco de cola.

É só esperar secar que o objeto estará pronto!


Figura 1

Clique para ampliar
Figura 2

Procedimento

Encha o copo com água e o deixe próximo a você. Coloque uma pequena quantidade de água (pouco mesmo) dentro do bulbo. Com a chama do isqueiro, segurando-o pela haste (prendedor de roupas), aqueça o bulbo unififormemente até que água comece a ferver. Você também pode utilizar a chama do fogão ou um "Bico de Bunsen" mas é bom tomar cuidado para evitar acidentes. Ainda com o vapor d`água saindo pela extremidade do tubo, mergulhe esta no copo com água. Espere alguns segundos e você verá o processo de sucção ocorrer.

Roteiro

  • O que é o processo de sucção?
  • Por que o tipo de bomba apresentada também pode ser chamada de bomba de vácuo? Qual a razão física para isso?
  • Vapor d`água e gás são a mesma coisa?
  • O que acontece com o ar dentro do bulbo quando este é aquecido?
  • Por que a água sobe para o bulbo?

Conclusões

Este experimento, embora bastante siples, permite compreender e visualizar claramente o princípio de funcionamento de uma bomba de sucção.

Outros conceitos físicos que não foram abordados neste trabalho também poderão ser discutidos, como é o caso do conceito de vácuo, de tensão superficial, condutividade térmica; entre outros.

Algumas variações deste experimento são plausíveis de serem construídas - pense nisso, é muito interessante!

Se você gostou deste experimento e deseja possuir o objeto construído num modelo mais acabado, pode conseguí-lo todo em vidro (vidro borossilicato, que é conhecido como vidro pyrex) em lojas que trabalham com artesanato em vidro. Sua construção em vidro é muito simples, muito rápido e barato.

Dados adicionais

Elaborado:  

Joel Marcelo da Cruz

 
 

O CiênciaMão é um projeto de extensão universitária da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, com apoio da Universidade Federal de São Paulo e das entidades abaixo listadas. É coordenado pelo grupo de pesquisa Interfaces. Constitui-se em um repositório de recursos para a educação em ciências, voltado para educadores em geral. Os itens listados são cadastrados manualmente em um banco de dados, de acordo com diretrizes editoriais da coordenação do projeto.

 

EFLCH
Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

 

EACH
Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Financiamento e apoio:


UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
Copyright © 2006-2013 Universidade de São Paulo - Todos os direitos reservados